quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Receber gentilezas é bom, mas possuir direitos é melhor

Por Talita R da Silva - Blogueiras Feministas

Muita gente acredita que feminista é aquela mulher que não aceita qualquer gentileza advinda do sexo oposto, por considerá-la uma ofensa à sua condição social, mas que, por sua vez, não perde oportunidades de se vitimizar no momento de exigir leis. Por que exigimos leis, ao invés de nos contentarmos com as supostas gentilezas?
As gentilezas, quando bem empregadas, tornam o convívio mais ameno e, geralmente, atuam como um sinal de que um sujeito está preocupado com o bem-estar de outro(s). Pessoalmente, acredito que tornar-se um ser humano mais gentil é um exercício bastante árduo, que podemos e devemos desenvolver. Demanda atenção às necessidades daqueles que nos cercam e disposição para nos mobilizarmos em prol de um bem-estar que não nos atingirá diretamente. Logo, a gentileza indica um caráter mais altruísta, o que é sempre bem-vindo no mundo.
Na comunicação, uma forma de gentileza seria, por exemplo, não assaltar o turno do interlocutor, ou seja, deixar o outro terminar sua fala para, então, posicionar-se. Isso torna a comunicação menos ruidosa, portanto, mais eficaz. No dia a dia, não precisamos seguir manuais de etiqueta para sabermos que o ideal é jamais tentar furar filas, não empurrar as pessoas para ser o primeiro a entrar no vagão do metrô, dar passagem no trânsito, e assim sucessivamente.
Na minha opinião, praticar a gentileza deveria ser encarado como um exercício de respeito mútuo e percepção social. Seria ótimo se todos nós fôssemos capazes de compreender e colocar em prática algumas gentilezas para com aqueles que nos cercam no cotidiano, sejam essas pessoas homens ou mulheres, idosos ou crianças, deficientes ou não. Porque, na verdade, a gentileza deveria caracterizar quem a exerce e não para quem ela é voltada. No entanto, a realidade é que nem todas as pessoas preocupam-se em ser socialmente conscientes. Nem todos enxergam o valor de se tornar uma pessoa mais gentil e por isso, as leis se mostram fundamentais.
Por que gestantes precisam de assentos reservados em transportes públicos e de filas diferenciadas? Isso se faz necessário porque a resistência física de uma gestante não é similar a de mulheres e homens em condições não-excepcionais. Um “encontrão” para uma gestante pode significar a perda do feto. Marcar esse direito não significa oferecer privilégios, mas assegurar que essa mulher receba aquilo que poderia vir como uma gentileza por parte de pessoas com o mínimo de bom senso. Mas, caso a gentileza não se apresente, que a lei se faça valer. O mesmo poderia ser ponderado com relação às leis que punem violências contra a mulher. O idealíssimo seria que pessoas, homens ou mulheres, evitassem se agredir mutuamente sob qualquer aspecto; o ideal seria que homens percebessem que sua força física costuma ser superior a de mulheres, em condições normais, por isso que eles jamais ousassem cometer a covardia de agredir uma mulher. No entanto, a realidade pode diferir disso. Homens espancam mulheres, diariamente, e vários não encerram as sucessivas agressões até que algum mecanismo penal os faça parar ou a vítima venha a óbito. Dessa forma, exigir que leis capazes de intervir sejam promulgadas é um direito do qual não podemos abrir mão.

Não precisamos desse cavalheiro. Precisamos de pessoas conscientes! Imagem: La Belle Dame Sans Merci por Walter Crane (1845 - 1915).
Por outro lado, apoiar leis que beneficiem, principalmente, mulheres pode ser encarado como um grande gesto de gentileza, que muitos homens fazem questão de realizar. Tais atitudes são as que nós, feministas, gostaríamos de enxergar para a construção de um mundo mais democrático. De fato, não precisamos de Lords em seus cavalos brancos, mas seria agradável contar com homens mais gentis, caminhando lado a lado, dividindo as contas e, sobretudo, as responsabilidades sociais.
Por fim, proponho que reflitamos quais gentilezas, realmente, constroem uma sociedade mais altruísta e, feito isso, que invistamos maiores esforços em praticá-las!
Receber gentilezas é bom, mas possuir direitos é melhor!Blogueiras Feministas | Blogueiras Feministas

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Sexo por compaixão (sociedade feminista)

Décima sexta indicação de filme para estudos de Gênero e Feminismo, Sexo por compaixão (sociedade feminista)
Escrito e dirigido por uma mulher (Laura Mañá), o filme, SEXO POR COMPAIXÃO (Sexo por Compassíon) é uma comédia dramática que se passa num vilarejo mexicano, contando a história de Dolores (interpretada pela atriz francesa Elisabeth Margoni), uma mulher madura de cerca de cinquenta anos. Reconhecida por todos como muito piedosa, por sua bondade excessiva, ela acaba abandonada pelo marido, Manolo (José Sancho), que não suporta mais tanta generosidade. Eles moram em um povoado desolado, onde reinam a tristeza e a resignação. Mesmo desesperada e querendo trazer seu amado de volta, ela acredita no futuro.
Um dia, Dolores resolve pecar pela primeira vez em sua vida. Ela acaba dormindo com um desconhecido que passou por aquelas bandas. Sem querer, ela lhe salva a vida e o suposto pecado converte-se em uma obra de caridade. Dolores - que muda de nome para Lolita - passa a dedicar sua vida às obras de caridade. Mas não as usuais, muito pelo contrário. Ela resolve entregar-se de corpo e alma ao povoado. Principalmente o corpo, já que passa a espalhar o bem ao fazer sexo com vários homens. E é a partir dessas relações sexuais por compaixão, como diz o título, que ela vai ajudar a devolver a cor e a alegria de um povoado que se encontra imerso em tristeza.
Numa brincadeira, o filme ganha cor e a cidade torna-se mais alegre, até Manolo, “marido da santa”, voltar e descobrir a nova ocupação da esposa. Revoltado, ele briga com ela e a tristeza volta a reinar. Em defesa de Dolores (e em busca da alegria que os maridos perderam), as mulheres do povoado decidem dar uma lição em Manolo, mostrando como é difícil o papel que sua esposa desempenha.
Uma velhinha, interpretada por Leticia Huijara, é responsável por arrancar várias gargalhadas do público, já que insiste em passear pelo vilarejo com seus passos trôpegos enquanto tira fotos nada discretas de tudo o que acontece: sua função seria a de mostrar a memória do vilarejo por meio de suas próprias lembranças de um lugar bonito, com pessoas muito alegres, que se mostra depois um lugar sem vida e triste.
O alegre universo criado pela diretora Laura Mañá tem espaço até mesmo para prostitutas itinerantes, que percorrem o interior do país em uma caminhonete vermelha trazendo o cartaz “Putas”. O filme é dirigido e escrito pela estreante Laura Maná, que atuou como roteirista. O roteiro é habitado por uma galeria de personagens interessantes e muito divertida.
Comentário feminista: O filme consegue tratar de temas feministas sem dar a eles um tom dramático ou panfletário que só provocariam repulsa “as pessoas não-entendidas”.  A história analisa as limitações impostas por uma sociedade patriarcal sobre a sexualidade de homens e mulheres de cultura cristã. Entre os vários pontos altos do filme, está a cena em que nos defrontamos com o famoso antagonismo prostituta vs “mulher séria”. Outros desconcertantes acertos do roteiro estão em estabelecer uma profunda relação de carência afetiva e insatisfação sexual entre os sexos femininos e masculinos, revelar a "verdade biológica" sobre a potência sexual masculina, além de criar cenas bem “didáticas” sobre comportamentos de “cumplicidade” masculina e tradicionais angústias femininas. Este é com certeza, desde sua realização a concepção da história, o mais feminista dos filmes que já assistimos, pois Laura Mañá evitou a todo custo reproduzir qualquer dos estereótipos machistas comuns do cinema (um dos exemplos que podemos citar sem estragar o grande prazer de assistir a película é o fato da protagonista ser totalmente fora dos padrões de beleza atuais). Sexo por compaixão é belíssimo e obrigatório para qualquer feminista.  Vejam o trailer:
O filme pode ser utilizado como auxílio à discussão de temáticas sobre as relações de gênero. Ele levanta a discussão sobre a misoginia — a aversão, o desprezo e o ódio às mulheres que abandonam suas qualidades ou atributos de feminilidade convencionais. Trata também do machismo e do poder do homem sobre a mulher; do sexismo, que é pautado no principio da superioridade de um gênero sobre o outro; do heterossexismo, que é uma forma de opressão e discriminação, baseada na orientação sexual e no binarismo ativo/passivo; da sexualidade, que está presente em todo filme, tanto pela generosidade de Lolita quanto através das prostitutas e outros personagens. O filme envolve ainda outros temas: a identidade sexual e de gênero; a violência de gênero (visível nas ofensas que as prostitutas e que Lolita receberam); os estereótipos da mulher e do homem; as diferenças; as desigualdades; e as discriminações das mulheres prostitutas.
Uma outra proposta de  atividade é explorar a linguagem que o filme aborda, trabalhando o significado das palavras que são ditas; anotar e destacar as cenas mais importantes, para a discussão
Tudo no filme propicia elementos para que possam ser estudadas as relações de gênero, como o jogo sensual que é feito por algumas mulheres, os nomes dados aos personagens, o sugestivo título do filme e as cores que retratam a mudança de humor de Lolita. 

A roteirista também brinca com os nomes dos personagens, já que cada um tem relação com o tema em questão; um exemplo disto são os nomes dados à personagem principal do filme: Dolores é associável ao sofrimento (significa “dores, pesares”, em Espanhol) e mesmo que tentasse ajudar as pessoas, passando lealdade e confiança por onde passava, sua vida pessoal era uma lamentação. Já o segundo nome que adota, Lolita, é um nome muito sensual e de forte impacto — Lolita foi título de um romance em língua inglesa, de autoria do escritor russo Vladimir Nabokov, publicado pela primeira vez em 1955, que trata de uma ninfeta e sua influência sobre o escritor, o que é ressaltado pelo fim trágico do personagem.
Outro ponto que o filme coloca é a critica às atitudes machistas típicas dos homens latino-americanos, que ganham um aspecto mais influente em comunidades conservadoras e pequenas, como a Lolita.


Sites de Livros:
Diversidade na Educação: experiências de formação continuada de professores http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001545/154577POR.pdf

Educação na diversidade: experiências e desafios na Educação Intercultural Bilíngüe http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001545/154581POR.pdf
Gênero e Educacão para Todos. O SALTO RUMO À IGUALDADE http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001324/132480por.pdf
 Educação como exercício de diversidade. http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001432/143241POR.pdf
RAÇA E GÊNERO NO SISTEMA DE ENSINO. Os limites das políticas universalistas na Educação
Gênero e Diversidade Sexual na Escola: reconhecer diferenças e superar preconceitos http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/escola_protege/caderno5.pdf
Sites Recomendados sobre o filme:

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Human zoo (arte feminista)

Human zoo (arte feminista) 
Para ver grátis no PC click na imagem o poster
Décima quinta indicação de filme para estudos de Gênero e Feminismo, o filme narra a história de Adria em plena Guerra do Kosovo e em Marseille (como imigrante ilegal). Apesar da própria experiência de vida, a personagem constrói sua identidade passando por pelos clichês femininos, porém superando-os e transcendendo os limites da “feminilidade burra”.
 
Comentário feminista: Escrito, produzido, dirigido (e atuando) a ex-modelo e militante feminista Rie Rasmussen consegue realizar um filme totalmente dentro (ao estilo Tarantino) e ao mesmo tempo fora dos padrões cinematográficos do gênero ação. Cheio de sacadas geniais, como o modo que a personagem vez por outra observa os comportamentos femininos, Rie Rasmussen conseguiu com louvor produzir um projeto verdadeiramente feminista na concepção do termo, pois em nenhum momento estigmatiza as personagens masculinas e nem busca qualquer solução fácil para sua personagem principal. Este é um dos poucos casos de filmes que, nas belíssimas cenas de sexo, se baseia no conceito fundamental de arte feminista: “a utilização do próprio corpo da realizadora na condição de sujeito de arte e não de objeto mercantil”. Excelente entretenimento, apesar da abordagem de temas serissímos, como a automutilação, para ser visto com namoradas/os que odeiam feminismo ou para feministas que não suportam as “heroínas gostosonas" e esteotipadas, comuns nas adaptações de HQ para o cinema. Vejam o trailer:
 



Fonte: Maças Podres

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Minha vida em cor de rosa (homossexualidade e transexualidade)

Décima quarta indicação de filme para estudos de Gênero e Feminismo, Minha vida em cor de rosa trata de questões como homossexualidade e transexualidade.

O roteiro desenvolve as desventuras Ludovic menino de 7 anos vive com seus pais e irmãos e acha que é um menino-menina e que vai se transformar em menina a qualquer momento, cresce imaginando que nasceu no corpo errado. A criança como protagonista levanta a questão da homossexualidade (neste caso, transexualidade) como condição inata, retira a perversão, opção e escolha consciente, elucidando ser apenas uma característica da pessoa, alheia à sua vontade. Ludovic, inocente e de uma doçura ímpar que nos conquista com seu sorriso e olhar verdadeiros, sofre preconceito e rejeição causados pela intolerância e obtusidade da vizinhança, apenas por ser quem ele é, sem fazer mal a ninguém. Um filme especial, no tom certo, que fará com que pessoas com um mínimo se sensibilidade repensem alguns de seus preconceitos. Recebeu 1 Globo de Ouro, 11 outros prêmios e 5 indicações.

A ação se concentra na rejeição social ao comportamento transex do garoto, desde sua família aos seus “amigos” e irmãos, incluindo até a repressão que outros meninas/os sofrem durante a descoberta e construção de sua identidade sexual.
 
Comentário feminista: Esta é uma importantíssima pérola cinematográfica, pois consegue traduzir em imagens e diálogos um dos preceitos fundamentais da feminista Shulamith Firestone, ainda nos anos de 1970: “a luta pela libertação das mulheres perpassa a libertação sexual das crianças”, ao trata de um dos mais difíceis temas referentes ao “novo feminismo”: homossexualidade e transexualidade na infância. Algumas feministas poderiam se encomodar com o fato da personagem principal ter adoração por “um objeto”, entretanto, neste caso, a abordagem lida com a idéia de transcendência física e não exatamente com imposição de padrão de beleza e coisificação do corpo. Indicadíssimo para oficinas de sexualidade, tanto para adolescentes quanto para adultos, já que o enredo consegue esplendorosamente solucionar questões mais dramáticas, desarmando os preconceitos de qualquer expectador que consiga se indispor a assisti-lo. É sem dúvida um filme que feministas devem ter em casa. 
O filme trata não apenas da questão da sexualidade, mas principalmente das relações família-sociedade, da pressão social para que tudo e todos sejam perfeitamente enquadrados dentro das estruturas convencionadas, onde os diferentes são rejeitados, desrespeitados e ignorados sistematicamente. O que nos leva a refletir sobre o nosso papel dentro deste contexto social, ainda tão conservador.Vejam o trailer: 

domingo, 25 de dezembro de 2011

A excêntrica família de Antônia (matriarcado)

Décima terceira indicação de filme para estudos de Gênero e Feminismo,
A excêntrica família de Antônia descreve as relações de matriarcado.

A fábula conta a história da Antônia que, ao voltar à vila onde nasceu, estabelece em uma comunidade matriarcal. As relações pessoais giram em torno da família, dos moradores da vila, pessoas violentadas, além da possível amizade entre os gêneros feminino e masculino, na figura de um velho filósofo “heremita” (estudioso de Schopenhauer e Nietzsche).
Comandada por Antonia, a saga familiar atravessa três gerações, falando de força, de beleza e de escolhas que desafiam o tempo. Nesse universo conhecemos curiosos personagens, como o filósofo pessimista, a netinha superdotada, a filha lésbica, a avó louca, o padre herege, a amiga que adora procriar, a vizinha que sofre abusos sexuais e os muitos amigos que são acolhidos por sua generosidade.
Comentário feminista: obra prima do cinema holandês, e vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro, "A excêntrica família de Antônia" é um filme feminista por excelência. Dirigido por uma mulher (Marleen Gorris), a película estabelece um cem número de paralelos de como poderiam ser (ou eram) as relações pessoais dentro de uma sociedade matriarcal, onde a maternidade não é uma imposição social e nem uma divindade, mas um processo tão comum quanto a própria morte. Destacamos as cenas em que a neta de Antônia estabelece uma sensível e direta relação de afeto e respeito com um idoso, sem que nenhum dos dois infantilize o outro. Belíssimo, indicado para qualquer pessoa que deseje introduzir-se em assuntos filosóficos e conhecimento feminista. Vejam o trecho do filme: 






Fonte: Maças Podres

sábado, 24 de dezembro de 2011

Estamira (condição das mulheres negras no Brasil)

Décima segunda indicação de filme, este documentário  Estamira trata da condição das mulheres negras no Brasil.

Para ver grátis no PC
click na imagem o poster
Este premiadíssimo documentário registra a vida de Dona Estamira, uma mulher já idosa que sobrevive catando lixo e que é descrita como louca por seus familiares, por entre outras coisas rejeitar a figura masculina de Deus. Porém dona de uma lucidez extrema, ela levanta profundos questionamentos sobre comportamentos socialemente aceitos no senso comum, como o uso da medicalização em pessoas que causam transtorno social ou a sobre as diferenças biologicistas entre os sexos. 
 
Comentário feminista: Este é provavelmente um dos melhores e mais contundentes documentários brasileiros de todos os tempos. Com uma apresentação da personagem narrada de “forma progressiva”, o filme mostra o nível de “desumanização” que um ser humano/mulher pode agüentar e o quanto a poderosa presença do patriarcado (dentro de sua família) pode destruir, ainda mais quando aliada a violência institucional das estruturas estatais. Aqui cada frase de Dona Estamira pode ser considerada um brado contra o sistema patriarcal ou render uma tese de mestrado feminista. Destacam-se as cenas em que a Dona Estamira questiona e estabelece paralelos sobre cromossomos “Xx” (par) e “Xy” (ímpar), o poder natural da gestação e a manipulação religiosa, como instância afirmadora do poder familiar masculino. Indicado para toda e qualquer pessoa lúcida, sem qualquer "trocadilho". Vejam o trailer: 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Olhos azuis (lutra contra o racismo e prática feminista)

Décima primeira indicação de filme,  Olhos azuis é um documentário que mostra a lutra contra o racismo e prática feminista.
Click na foto
e assista no Youtube
Documentário que denuncia o preconceito racial através de workshops em que pessoas brancas são colocadas nas mesmas condições sociais em que comumente as pessoas negras se encontra. A genial premissa da oficina é que pessoas que possuam "olhos azuis" são intelectualemente inferiores as demais.   
Comentário feminista: provavelmente este filme seja o mais importante de todos os que nós listamos, pois não é só um registro documental, mas também uma experiência sensorial e conscientizadora com detalhes do processo metodológico e com provas expressas na transformação física das pessoas. Aqui a professora Jane Elliot derruba toda e qualquer mistificação biológica de superioridade racial (e de gênero), inclusive não se acomodando com o fato (e nem se excluindo de sua responsabilidade social) de ser uma mulher branca. Todas as cenas são muito fodásticas, já que demonstram, nua e cruamente, os violentos processos de interiorização social que fragiliza tanto negras/os quanto as mulheres. Jane Elliot dá um soco no estômago de qualquer feminista que ainda acredita ou profere a falácia de que “os interesses do feminismo mudam diante de sua condição social da mulher”. Avisamos que se você tiver pena das pessoas na situação em que foram colocadas, deve suspeitar dos motivos deste sentimento. é sem dúvida é documento fundamental para todas as bibliotecas de movimentos sociais que desejam desenvolver uma práxis revolucionária ou para educadores que acreditam na função de intelectual orgânico. Vejam um trecho e sintam a força da realidade: 

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

A cor púrpura (condição da mulher negra e masculinidade dos homens negros) 

Décima indicação filme A cor púrpura fala sobre a condição da mulher negra e masculinidade dos homens negros
 A Cor Púrpura (en: The Color Purple), é um filme estadunidense de 1985, do gênero drama, dirigido por Steven Spielberg e baseado no romance epistolar da premiada escritora afro-americana Alice Walker, que trata de questões de discriminação racial e sexual e conta a história Celie que aos 14 anos é violentada pelo pai, se torna mãe de duas crianças. Separada dos filhos e da única pessoa no mundo que a ama, sua irmã, ela é doada a "Mister" um violento homem que a despreza. 

Sinopse

Georgia, 1909. Em uma pequena cidade Celie (Whoopi Goldberg), uma jovem com apenas 14 anos que foi violentada pelo pai, se torna mãe de duas crianças. Além de perder a capacidade de procriar, Celie imediatamente é separada dos filhos e da única pessoa no mundo que a ama, sua irmã, e é doada a "Mister" (Danny Glover), que a trata simultaneamente como escrava e companheira. Grande parte da brutalidade de Mister provêm por alimentar uma forte paixão por Shug Avery (Margaret Avery), uma sensual cantora de blues. Celie fica muito solitária e compartilha sua tristeza em cartas (a única forma de manter a sanidade em um mundo onde poucos a ouvem), primeiramente com Deus e depois com a irmã Nettie (Akosua Busia), missionária na África. Mas quando Shug, aliada à forte Sofia (Oprah Winfrey), esposa de Harpo (Willard E. Pugh), filho de Mister, entram na sua vida, Celie revela seu espírito brilhante, ganhando consciência do seu valor e das possibilidades que o mundo lhe oferece.


Comentário feminista: este filme é um doloroso retrato do racismo (tanto dentro do roteiro quanto na academia de cinema americano). Obra prima do cinema, indicado ao recorde de estatuetas do Oscar, não ganhou nenhuma, pois nesta época ainda não vivíamos tempos “politicamente corretos”. Também foi o filme de estréia da atriz Whoopi Goldberg, que devido ao “fracasso na cerimônia”, teve que rumar sua carreira para papeis mais amenos  para os padrões brancos de Hollywood. O filme é interessantíssimo, pois pode estabelecer um palpável paralelo entre a condição atual dos negros nos EUA e no Brasil, já enquanto no norte da América, os negros receberam terras no fim do processo de escravidão, aqui na terra brasilis, estes foram lançados as ruas, sem a menor condição de sobrevivencia (tanto que ainda vivemos com as consequências da miséria econômica a que a comunidade negra foi lançada). Entre as cenas de destaque ficamos com os dois momentos em que a personagem da apresentadora Oprah Winfrey sucumbe e supera a violência doméstica sofrida ao longo do filme. Indicado para qualquer pessoa que deseje desenvolver sua consciência negra, nos termos de expostos por Steve Biko. Vejam um trecho:



Comentário:  Um filme que trata de maneira precisa temas tão complicados como racismo, violência, abuso sexual, incesto, relacionamentos humanos. “A Cor Púrpura” é  considerado uma obra importante para a compreensão da condição das mulheres negras e pobres no início do século XX. O romance trata, também, da homossexualidade feminina. Entretanto, o filme de Spielberg foi criticado por movimentos afro-americanos, feministas e homossexuais por não conseguir reproduzir na tela a profundidade das questões levantadas no livro. Estas críticas são apontadas como o provável motivo de o filme ter recebido 11 indicações para o Oscar (incluindo melhor filme, melhor atriz para Whoopi Goldeberg e melhor atriz coadjuvante para Margaret Avery e Oprah Winfrey) mas não ter recebido nenhum.
Fonte: Maças podres


quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Alfie – O sedutor (masculinidade)

Nona Indicação filme Alfie – O sedutor (masculinidade)
click para assistir online
Esta é a história de um jovem homem solteiro e muito dentro dos padrões de beleza que desenvolvem as mais diferentes técnicas para conquistar as mulheres.  

Comentário feminista: este é um filme difícil de assistir em seu início, pois chega a causar asco tamanho é o conjunto de frases machista pronunciadas nos minutos iniciais, mas não se enganem já que grande parte da equipe de produção é formada por mulheres. Muito indicado para homens que desejam superar sua condição de macho garanhão e ver o quanto frágil é a masculinidade que se baseia apenas no poder do falo. Por isso, temos a liberdade em dizer que esta refilmagem é literalmente um chute no saco masculino, ao desenvolver uma história rude e realista sobre a incapacidade masculina de se relacionar afetivamente como mulheres e homens (destacamos a cena em que o machismo ultrapassa os limites do mito do “companheirismo masculino”), o filme amplia as perspectivas de analise sobre os comportamentos sexuais masculinos e a latente solidão emocional que os garanhões se encontram, mas dificilmente gostam de assumir em público. Filme obrigatório para mulheres que já não acreditam em de “príncipes encantados” e que desconfiam da "nova cordialidade masculina", principalmente em tempos de “casamento real”, ou para feministas/garotas que desejam pregar uma peça em seus namorados/amigos machistas. Veja a cena final do filme, infelizmente esta foi a única que encontramos legendada:



Fonte: Maças podres

Meninos não choram (construção da identidade gênero e orientação sexual)

Oitava indicação filme: Meninos não choram (construção da identidade gênero e orientação sexual)

click e assista de graça no PC
Brandon Teena é um forasteiro que quase todos que conheciam se sentiam atraídos por sua inocência. Como qualquer jovem, ele expressa as contradições da identidade sexual que não obedece as normatividades de uma sociedade fundamentalmente patriarcal.  
 
Comentário feminista: dirigido por Kimberly Pierce e baseado na história real de Brandon Teena, o filme conta com cenas de extrema violência que expõem de maneira cabal como identidade masculina e feminina pode ser socialmente construída ou "falsificadas", algo que muito difere da orientação sexual de uma pessoa. Não vamos escrever muito sobre este filme, pois é um dos poucos casos em que palavras jamais poderão substituir o choque que cada fotograma se propõe a denunciar, apenas destacaremos as cenas de violência sexual masculina para que as feminista entendam como esta é utilizada em sua função de enquadramento social das mulheres. Veja o trailer
 
Fonte: Maças podres

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Lanternas vermelhas (mito da rivalidade feminina)

Sétima indicação de filme : Lanternas vermelhas (mito da rivalidade feminina)
O filme conta a história de Songlian, uma jovem obrigada a se casar com senhor de uma família da China que já possui outras três esposas. A competição entre as esposas é dura, o que as faz criar uma disputa para obter os privilégios e confortos oferecidos pelo senhor do palácio.  
 
Comentário feminista: o grande destaque deste filme e a sua incrível condição de nos possibilitar o entendimento de duas questões: o quanto o patriarcado possui de semelhanças, mesmo em épocas tão “distantes” e culturas tão diferentes quanto a brasileira; e como as estruturas patriarcais estimulam nas mulheres a desunião de gênero (mito da rivalidade feminina).  Destacamos os diálogos travados entre as mulheres na presença do marido/senhor e às cenas em que a submissão sexual feminina parece representar um poder social, mas que todavia, sua condição não passa de uma total ausência de poder. Indicado para feminista que buscam similaridades estruturais dentro dos diferentes sistemas sociais do patriarcado. Veja um trecho deste filme: 
 

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Libertárias (feminismo de ideologia operária e anarquista)

Libertárias (feminismo de ideologia operária e anarquista)
Sexta Indicação de estudo: O filme narra a história do grupo de militantes anarquista da organização femininista do movimento libertário espanhol chamada "Mulheres Livres", nos primeiros dias da Guerra Civil Espanhola.
 
Comentário feminista: Se, enquanto filme, é possível que surjam criticas sobre a maneira que as personagens são apresentadas (existem clichês estereotipados sobre os comportamentos femininos), todavia, enquanto material feminista, há várias cenas que podem muito bem ilustrar a curiosidade de feministas sobre questões históricas, como por exemplo: a visão participativa de mulheres em guerras, pouco apresentada em livros didáticos, e as ideologias feministas de base anarquista e operária muito populares no início do século XX, e hoje extremamente censuradas e invisibilizadas pela grande mídia e história oficial. Indicado para feministas militantes de outros movimentos sociais que querem ampliar sua visão ideológica e que não se satisfazem com o papel de colaboracionaistas do Estado ou secretárias de partido. Veja o trailer:
 

domingo, 18 de dezembro de 2011

Preciosa (feminismo negro)

   Preciosa (feminismo negro)
Para ver grátis no PC
click na imagem do poster
Quinta indicação para estudos: O filme Preciosa  conta a história de uma adolescente de 16 anos e as privações que ela enfrenta durante sua juventude, onde o único recurso que ela tem em mãos para amenizar a sua situação é a ilusão do sucesso vendido nas revistas.  

 Claireece Jones Precious sofre privações inimagináveis em sua juventude. Abusada pela mãe, violentada por seu pai, ela cresce pobre, irritada, analfabeta, gorda, sem amor e geralmente passa despercebida. A melhor maneira de saber sobre ela são suas próprias falas: "Às vezes eu desejo que não estivesse viva. Mas eu não sei como morrer. Não há nenhum botão para desligar. Não importa o quão ruim eu me sinta, meu coração não para de bater e meus olhos se abrem pela manhã. Uma história intensa de adversidade e esperança.
 
Comentário feminista: Um dos filmes mais dramáticos dos últimos tempos a abordar a questão das mulheres negras em seu estado de vulnerabilidade social, desde as questões de padrão de beleza, passando pela violência sexual produzida pela hiperobjetivação do corpo feminino como propriedae masculina, o filme demonstra o quanto são reduzidas as perspectivas de vida de uma jovem negra de periferia e a delicada questão que as mulheres negras (e pobres) enfrentam na manutenção de seus relacionamentos afetivos com homens igualmente desprovidos de perspectivas sociais. Extremamente realista este filme é indicado a qualquer feminista que deseje adentrar nas questões do feminismo negro que sentenciaram o quanto diferente ser “uma mulher” e ser “uma mulher negra” (algo muito similar a realidade da maioria das mulheres brasileiras). Veja o trailer:


Fonte: Maças Podres

Políticas Públicas para Mulheres

POR Barbara Lopes - Blogueiras Feministas
Durante a 3ª Conferência Nacional de Políticas para Mulheres, perguntamos para militantes presentes: O que mais avançou em políticas públicas para mulheres? O que você espera que avance? Juntamos as respostas no vídeo abaixo.
Da Conferência, sai um plano com as diretrizes que a sociedade civil e o governo – já que é uma construção conjunta – esperam que norteiem as políticas públicas para as mulheres. A Conferência é fundamental porque acreditamos que o Estado tem um papel importante para mudar a vida das mulheres. Entender as medidas que melhoram a situação das mulheres como políticas públicas também significa que elas não devem ser isoladas, mas parte de uma estratégia. A existência dessas políticas tem também um poder simbólico – que precisa ser confirmado na prática, com a efetivação dessas políticas.
O Plano Nacional de Políticas para Mulheres foi tema de um dos painéis da 3ª Conferência e, entre as palestrantes, estava Tatau Godinho, subsecretária de Planejamento e Gestão da Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM). Queria ressaltar dois pontos da fala dela. O primeiro é sobre o tema da Conferência: “Autonomia e igualdade para as mulheres”. Ela afirmou que a SPM pretende dar prioridade para a autonomia econômica e social – no trabalho, na política, no lazer, etc. – das mulheres agora, como foi prioridade o enfrentamento à violência na gestão anterior.
O segundo ponto é o que Tatau colocou como “armadilha da institucionalização”. No processo de construção da Conferência com as etapas municipais e estaduais, houve um aumento no número de organismos de políticas para mulheres (secretarias, coordenadorias, etc.), que passaram de 294 para 432. Isso é um ganho importante. O perigo é, ao transformar mulheres em gestoras de políticas, afastá-las do feminismo, do movimento. E as políticas públicas, por mais poderosas que sejam, não substituem a militância, a luta nas ruas, a que a gente faz todos os dias.
A Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) fez um vídeo de encerramento com um resumo dos vários dias de conferência, veja abaixo:
*Imagem do destaque: Auditório no 4° Dia da Conferência. Foto: 3° Conferência/Divulgação.
FONTE: Universidade Livre Feminista

sábado, 17 de dezembro de 2011

O lutador (masculinidade)


click para ver o filme
Quarta indicação de estudo o filme  - O lutador (masculinidade)
O que sobra para um homem quando este já não pode mais exercer sua masculinidade? Este drama conta a história de um homem de meia idade que construiu sua carreira nos ringues de “luta livre”, sem jamais conseguir exercer com completude satisfatória a paternidade, o papel de provedor ou relacionamentos sentimentais.
Comentário feminista: Do mesmo diretor de “Cisne Negro”, o filme traça um panorama sobre o modo que se constrói a masculinidade em uma sociedade machista. A luta livre, os anabolizantes musculares e as cicratrizes podem ser usadas como metáforas capazes que nos  possibilite entender o modo que os homens estabelecem suas relações sociais e como se comunicam entre si através da agressão e da dor física. Desmistificando parte da teia de violência que envolve a identidade dos machos comuns, com este filme é possível se fazer um interessante exercício de percepção de alguns dos mais comuns códigos masculinos cotidianos (“uma certa coreografia”, como olhar que um homem lança para outro homem que paquera a namorada acompanhada, sem que isso se torne uma briga) e como o respeito e a "camaradagem", em sua na maneira violenta/rude de ser portar socialmente, indica sempre a espera dos homens que sua macheza seja reconhecida por seus semelhantes masculinos. Interessante para homens feministas (e mulheres) que desejam compreender os malefícios que o machismo traz para a construção de sua identidade. Veja o trailer:







Fonte: Maças Podres

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Anjos do sol (exploração sexual, prostituição e tráfico de mulheres)

Terceira indicação : Anjos do sol (exploração sexual, prostituição e tráfico de mulheres)

click para ver online
Maria é uma garota de 12 anos, que no verão de 2002, foi vendida por sua família a um recrutador de prostitutas, sendo enviada a um prostíbulo na região do garimpo. Após meses de abusos, Maria decide que tentará fugir mesmo que o risco possa custar a sua vida. 
O longa-metragem de ficcão (90 min.) é escrito e dirigido por Rudi Lagemann.

 Comentário feminista: asqueroso e brutal, o filme é uma pungente  materialização da realidade da prostituição, a exploração sexual e o tráfico de mulheres e adolescentes no Brasil. Nada neste filme parece inverossímil e sua denúncia ultrapassa os limites da “defesa dos direitos humanos”, pois tão aterradora quanto é a mensagem contra a exploração sexual é a concreta ausência de perspectiva sociais que as meninas nesta condição enfrentam para, se quisessem, sair dela. Destacamos o apurado tratamento visual que muitas vezes nos transporta para as condições expostas no filme. Altamente recomendado para oficinas com garotas pobres de periferia que ainda acreditam em conto de fadas ou que possam estar se deslumbrando com as porcarias como as “brunas surfistinhas” da vida. Assista o trailer:   

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

As virgens suicidas (sexualidade na adolescência)

 Segunda indicação da lista de filmes : As virgens suicidas (sexualidade na adolescência)
Dirigido e roteirizado por Sofia Coppola, este filme narra a história de 5 belas adolescentes americanas que em pleno auge da liberdade sexual estadunidense são sexualmente reprimidas pelos seus pais, especialmente a mãe extremamente religiosa. Comentário feminista: Apesar de se basear num livro escrito por um homem e narrado pelo ponto de vista dos garotos, a história lança um sensível olhar sobre a prisão sexual em que se encontram as jovens mulheres (e homens) em sociedades de forte apelo religioso cristão. O filme, já em seus primeiros minutos, possui um dos mais fantásticos diálogos feministas já escritos sobre o que significa ser uma adolescente mulher que tem sua sexualidade reprimida e observa o mundo através de um criterioso olhar sobre de como estão estabelecidas as bases da desigualdade entre o ser mulher e ser homem. Ideal para se passar em oficinas em que  adolescentes debatem os temas de gênero e sexualidade.
 Veja Trailer do filme 
 

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

TOMATES VERDES FRITOS - filmes feministas

Tomates Verdes Fritos (por Uryuu-RO e Lídia)

"Tem uma abordagem interessante da valorização da mulher (...) sobre relacionamentos, patriarcado, violência, e, o melhor de tudo, mostra a autonomia das mulheres e o companheirismo, derrubando o mito da rivalidade feminina."
Este filme é uma indicação de uma lista de 15 filmes separados por MAÇÃS PODRES. Indicados para
para a formação de feministas/  de gênero (ou simplesmente pessoas que gostam de bom conteúdo cinematográfico). A lista é composta por alguns filmes amplamente conhecidos, e outros nem tanto, realizados por mulheres (e feministas).

Segue trailler deste filme








Fonte : Maçãs Podres: 17 filmes feministas, por MAÇÃS PODRES

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Na pauta da 3° Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres

Cynthia Semíramis faz pontuações sobre a Abertura da 3° Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres: "O ponto alto do discurso da presidenta, e que está em todas as notícias de hoje, foi o momento em que ela garantiu que a SPM não será extinta nem fundida a outro ministério, acabando com boatos a esse respeito. No entanto, a presidenta não falou nada sobre a redução do orçamento para a SPM."
 Continua sobre a fala da presidenta Dilma " Reforçou a responsabilidade das mães pontuando diversas políticas públicas e benefícios voltados para a família, que tem recursos entregues diretamente a elas. Ao falar de saúde da mulher, falou apenas das gestantes e da prevenção de câncer de mama e do colo de útero, deixando de lado questões de saúde que atingem as mulheres e que não estão ligadas a reprodução.
Essas observações me parecem bastante preocupantes, pois associam mulheres a maternidade – quando maternidade deveria ser uma opção, não uma obrigação. Além disso, reforçam estereótipos sobre mulheres que vêm sendo criticados por feministas nos últimos cinquenta anos, especialmente a pressão para mulheres serem perfeitas e o mito de que só mulheres são responsáveis pela criação e educação das pessoas. Na Conferência, o discurso soou bastante deslocado. Como observou Maíra Kubík Mano: Talvez não fosse o lugar para louvar a maternidade como característica mais importante da mulher..
E complementa sobre a fala sobre violencia privada " A violência privada é um momento dramático porque a dignidade, a integridade física e psicológica da mulher estão sendo violadas. As crianças assistirem a momentos violentos é um problema, sim, mas menor do que a violência sofrida pela mulher, seja com ou sem testemunhas. É importante reforçar este ponto, pois a violência contra mulher não pode ser jamais relativizada em nome da família, sob pena de colocar a mulher como cidadã de segunda classe, com menos direitos do que o homem e os filhos. Preservar a família ou proteger as crianças não pode se tornar sinônimo de tolerância com a violência contra mulheres." 

Paula Laboissière - Agência Brasil escreve o artigo Manutenção de Secretaria das Mulheres é primeiro grande resultado de conferência, diz Ministra Luiza Bairros 

"Luiza lembrou que, como a SPM, a Seppir também completa oito anos de existência. Apesar das conquistas do ponto de vista dos direitos das mulheres e dos negros, ainda há uma baixa percepção, segundo a ministra, dos efeitos concretos que tais avanços têm gerado no país.

"Não há dúvida alguma – e o Censo 2010 nos mostrou isso – de que, com todos os avanços no sentido das desigualdades, resta um núcleo duro que é a desigualdade racial e que se torna ainda mais evidente quando associada às desigualdades de gênero", ressaltou.


Carolina Pimentel, Repórter da Agência Brasil - escreve  Creche, trabalho, violência e aborto são temas da Conferência de Políticas para Mulheres 

SOS Corpo escreve sobre o Por que precisamos redobrar a atenção em defesa dos direitos das mulheres 

Silvia Camurça, socióloga, educadora do SOS Corpo e integrante da coordenação nacional da AMB afirma “Não é uma novidade e chega a ser uma característica de uma racionalidade tecnocrática federal, na qual prevalece a visão que é necessário cortar orçamento das áreas consideradas como não estratégicas, principalmente políticas para mulheres e políticas para igualdade racial.

Um segundo fator que pesa no primeiro período dos governos federais, nos últimos 20 anos, é uma perspectiva de política pública na qual prevalece a ideia que o Estado brasileiro deve cuidar das famílias. Para a socióloga feminista, as famílias devem ser consideradas sujeitos de direitos, assim como as mulheres, ou negras e negros. Cuidar das famílias sem reconhecer que nas famílias existem desigualdades para as mulheres, sobretudo para as mulheres negras, é deixar encoberta uma série de problemas que afetam metade da população.

A AMB lançará e distribuirá, durante a III CNPM, a publicação Articulando as Luta Feminista nas Políticas Públicas, cujo conteúdo contextualiza a situação das mulheres e das políticas públicas neste âmbito, além de apresentar um conjunto de propostas prioritárias para cada eixo do Plano Nacional (PNPM). Com esse material e outros documentos, a publicação pretende ampliar a divulgação dos sentidos do feminismo característico da AMB.
Para baixar a publicação, clique aqui.
fonte: http://www.soscorpo.org.br/home/entry/iii-cnpm-por-que-precisamos-redobrar-a-atencao-em-defesa-dos-direitos-das-mulheres.html

 Acompanhe mais notícias pelo blog da 3° Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. 

O Direito ao Delirio - Eduardo Galeano

Este video esta legendado- El Derecho al Delirio (Legend) - YouTube



Gracias Eduardo,
Estoy siempre haciendo apuestas que las cosas van a mejorar, perdí muchas veces de las que gané, pero las poquitas veces que gané, valieron todas las veces que perdí.

"Soy un cabeza dura y porfiado Che, que te lo diga mi mate que me aguanta a tanto tiempo, es amargo y caliente el loco Che, pero es un dulce y cálido compañero en la vida, delira junto conmigo, creo yo que sí!?!?".

Yo mando un montón de mensajes para un montón de personas en el mundo todo, soy un rompe bolas en estos asuntos!, unos me putean, otros no me dan bola, pero a otros les gusta y deliran con nosotros.

Quizás yo no tenga las mejores ideas, pero si les mostramos esta manera sabia de pensar y sentir, quien te diga le peguemos algunos que las tienen, te imaginas que lindo si alguno de ellos despierta para dar una ayudita, tendrá valido la pena delirar.

Yo no preciso verlos, pero estos mis delirios hermano, me dicen que muchos van a despertar, es la fe nerviosa de los que nunca se rendirán que me hace soñar.

Un fuerte abrazo, Enzo de Leon
Eduardo Galeano - El Derecho al Delirio (Legend) - YouTube