domingo, 29 de dezembro de 2013

Maria da Penha: lei só no papel não funciona

 Pedro Peduzzi*
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O combate à violência praticada contra a mulher tem um símbolo no Brasil: Maria da Penha. Farmacêutica bioquímica, Maria da Penha chegou a ficar internada por quatro meses devido a um tiro disparado pelo ex-marido, que a deixou paraplégica.
Leia mais...

sábado, 28 de dezembro de 2013

Leituras ....

Atitudes violentas contra mulheres são vistas como normais, mostra estudo Pesqu ... 
Leia mais...



‘No Brasil, o preconceito aparece como um vírus’, declara Taís Araújo para revista & ... 
Leia mais...

Sobre impostos, racismo e um conselho de minha avó (comentário à entrevista de Fernanda Lima) ... 
Leia mais...

O lugar da negritude e o racismo na Psicologia   ... 
Leia mais...

Homens da classe alta agridem mais mulheres que os da baixaHomen ... 
Leia mais...

CONTARDO CALLIGARIS - O psicanalista se frustra com o ritmo das mudanças nas relações entre homens e mulheres   ... 
Leia mais...

Amor - O Fim Tudo ... 
Leia mais...

Feminismos, neofeminismo e a luta pelos direitos das mulheresHá po ... 
NOV29
NOV29
NOV29
NOV29
NOV29
NOV29
NOV29

MP lança cartilha sobre violência doméstica para orientar mulheres bolivianas

MP lança cartilha sobre violência doméstica para orientar mulheres bolivianas 

Agência Brasil

O Ministério Público (MP) do Estado de São Paulo lançou uma cartilha que traz orientações sobre os direitos das mulheres que sofrem agressões, com informações da Lei Maria da Penha, voltada para bolivianas.

A publicaçãoMujer da Vuelta la Página, uma versão em espanhol da cartilha Mulher, Vire a Página, criada em 2012, surgiu a partir da percepção do MP sobre um aumento expressivo dos casos de violência contra mulheres imigrantes de origem latina que vivem na capital paulista.

Foram impressas 10 mil cartilhas que serão distribuídas pelo Grupo de Enfrentamento à Violência Doméstica (Gevid) do MP e pelo Centro de Apoio ao Migrante (Cami), por meio de uma rede de parceiros no país. A publicação também pode ser vista pela internet, no endereço, clicando AQUI.

Na cartilha, as mulheres encontram endereços e telefones dos serviços que compõem a rede de atendimento de apoio, como centros de referência e delegacias de Defesa da Mulher.

A promotora de Justiça Silvia Chakian de Toledo Santos, coordenadora do Gevid, destaca que as mulheres bolivianas, além da vulnerabilidade em razão do gênero feminino, enfrentam a dificuldade com o idioma, com a nova cultura e com o olhar de indiferença da própria sociedade.

Segundo o Censo, entre 2000 e 2010, o número de bolivianos cresceu 173% na capital paulista, passando de 6.578 para 17.960. O levantamento considera apenas imigrantes vivendo em condições legais. Os bolivianos são a segunda maior colônia de estrangeiros da cidade de São Paulo.

Originalmente publicado em: Agência Brasil de Comunicação, em 14/12/2013

Urgente o debate sobre a legalização do aborto

 Caso da clínica clandestina de aborto no RJ retoma o debate sobre a importância da legalização do aborto no Brasil. “A opinião expressa pelos leitores confirma que a sociedade está começando a entender quais são os problemas decorrentes do aborto inseguro, questões levantadas há décadas pelas feministas”, diz presidente de Católicas Maria José Rosado.
Leia mais...

Sobre o fechamento das clínicas de aborto no Rio de Janeiro e a clandestinidade de nossos corpos Por: ... 
Leia mais...

"Pra quem vivia apanhando, aqui tá bom"


Por Nana Soares - Edição Sumiço - dezembro de 2013
Era a primeira vez que Júlia* acompanhava o esposo à igreja evangélica. O culto mal havia começado quando Gustavo*, seu marido há 11 anos, olhou fundo em seus olhos e disse: “Eu vou te matar”.
Reportagem completa AQUI

Como se fosse da família


Áurea e Vander, domésticas a vida inteira, refletem sobre a nova lei que regulamenta a sua profissão neste vídeo co-produzido pela Pública

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

SINAIS QUE VOCÊ DEVE TEMER- Virtudes do Medo

 Para quem vive situações de violência, vale esta dica no post abaixo

Escreva Lola Escreva: SINAIS QUE VOCÊ DEVE TEMER: Faz tempo que digo pro maridão confiar na sua intuição. Ele é jogador profissional de xadrez, e muitas vezes se enrola com o tempo analis...

sábado, 7 de dezembro de 2013

Dogmatismo religioso e Estado


Discussão em mesa ocorrida durante o VI Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, na UERJ, destacou os efeitos políticos que o radicalismo religioso tem produzido no âmbito do Estado, tanto no campo dos direitos individuais como no campo da ciência e da saúde.

Trabalho como potência


"As modificações corporais vieram em um momento em que minha trajetória profissional já gozava de reconhecimento. Trabalhar na academia é ocupar um lugar privilegiado, o que contribui para construir um lastro de respeitabilidade", avalia Guilherme de Almeida, autor de pesquisa que joga luz sobre os significados que a transição de gênero pode obter no mercado de trabalho.

Saiba tudo o que rolou no Congresso da ABRASCO no ...

Conselho Gestor de Saúde Vila Maria/Guilherme: Saiba tudo o que rolou no Congresso da ABRASCO no ...