sábado, 1 de novembro de 2014

Boletim CCR: Qual o compromisso do novo governo com as mulheres?

Boletim CLAM



Oportunidade de publicação
Sexualidades está recebendo trabalhos originais e de qualidade sobre sexualidade na América Latina e o Caribe para seus próximos dois números. Esta série monográfica eletrônica oferece uma oportunidade única de publicação rápida e ampla divulgação em inglês, espanhol e português. Prazo inicial: 3 de Novembro de 2014.
| oferta acadêmica |
_
XV Jornada do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (IFCS/UFRJ)
A XV Jornada do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (IFCS/UFRJ) acontece de 2 a 5 de dezembro. As inscrições de resumos serão encerradas no dia 1º de novembro.
| oferta acadêmica |
_
Gênero e eleições
Bancada feminina no Congresso Nacional brasileiro cresceu de 45 para 51 deputadas na última eleição. Mas seja por medo de perder o apoio de eleitores ou parceiros políticos mais conservadores, ou por ideologias pessoais ligadas à religião, grande parte das mulheres na política usualmente silenciam com relação a assuntos da agenda feminista, como o aborto. Debate na UERJ discutiu esse cenário.
| notícias CLAM |
_
Ferramenta renovada 
Foi relançado o website www.despenalizacion.org.ar, que desde 2005 tem fornecido informação técnica para o debate sobre descriminalização do aborto na Argentina. A nova versão oferece material atualizado à luz dos mais recentes avanços e desafios relativos ao tema. (Texto em espanhol)
| notícias CLAM |
_
Poéticas e políticas da intersexualidade
A inclusão da intersexualidade nos ativismos pela diversidade sexual tem encoberto a situação das pessoas intersex e reafirmado seu lugar ameaçador diante do binarismo de gênero. É necessário criar poéticas que questionem tais políticas e que interpelem a imaginação desejante do Ocidente, afirma Mauro Cabral em entrevista ao CLAM.(Texto em espanhol)
| entrevista |
_
Nada a escolher
A "adequação" cirúrgica dos genitais de crianças e jovens intersex antes destes serem capazes de consenti-la é contestada por ativistas e pesquisas acerca dos contextos e efeitos dessa prática. O sofrimento muitas vezes gerado por intervenções impostas pelo poder médico leva a questionar a inevitabilidade da definição por um ou outro sexo.
| notícias CLAM |
_

sábado, 6 de setembro de 2014

Programa Conexão Repórter sobre o Hospital Psiquiátrico Vera Cruz de Sor...

Todos os Gêneros: Poéticas da Sexualidade- No Itau Cultural em SP

A segunda edição de Todos os Gêneros acontece entre 6 e 14 de setembro no Itaú Cultural e traz para o público a forma de os artistas – por meio de performances, dança, apresentações teatrais e produções audiovisuais – abordarem hoje questões de gênero, preconceito e sexualidade.

Veja programação completa AQUI

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

IMAGEM MULHER - Documentário

Imagem Mulher é um documentário que nasce da hipótese de que a idealização da mulher na mídia contribui para a violência contra a mulher. É um olhar que se debruça sobre a mídia e sobre a rotina de três mulheres, Ana Cláudia Martins, Norma Cubillos e Sandra Regina Alves, buscando estabelecer um paralelo.

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Em São Paulo, concurso exige exame de virgindade


Reprodução
Em nota, o movimento Católicas pelo Direito de Decidir considerou a medida aviltante e que no Estado mais rico e desenvolvido da Federação “vivemos em plena Idade Média”
06/08/2014
Da Redação
Para preencher um dos requisitos do concurso público da Secretaria de Estado da Educação de São Paulo (SEE-SP), as candidatas selecionadas neste ano tiveram que comprovar, por meio de um atestado médico, que não tiveram seu hímen rompido, ou seja, eram virgens. Continue lendo http://www.brasildefato.com.br/node/29427

riminalizar a violência doméstica não basta para erradicá-la, diz ativista dos EUA

Fonte: Agência Brasil / Mariana Tokarnia

Brasília – Fim do sistema carcerário atual, denunciar o racismo presente em diversas instituições, crítica ao papel desempenhado pela mídia e que ativistas cuidem também do meio ambiente e da própria saúde. Essas são algumas das ideias defendidas pela ex-integrante do grupo Panteras Negras e do Partido Comunista dos Estados Unidos, Angela Davis, entrevistada ontem (29) no programa Espaço Público, da TV Brasil. Para ela, "quando simplesmente punimos os culpados, em geral o que acontece é que eles saem da cadeia pior do que entraram para cumprir a pena. As cadeias contribuem para reproduzir a violência e a conduta antissocial".



Continue lendo SinPsi - Sindicato dos Psicólogos do Estado de São Paulo

Falta de mulheres na política agrava desigualdade de gênero no Brasil, diz Pnud

Fonte: Agência Brasil / Wellton Máximo / Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr

A baixa representação das mulheres na política agrava a desigualdade de gênero no Brasil. A avaliação consta do Relatório de Desenvolvimento Humano de 2014, divulgado na quinta (24) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).


Além de apresentar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 2013, com 187 países pesquisados, o Pnud divulgou o Índice de Desigualdade de Gênero (IDG) para 149 países. O indicador é elaborado com base em cinco dados: taxa de mortalidade materna, taxa de fertilidade na adolescência, proporção de mulheres no parlamento nacional, percentual de mulheres e homens com educação secundária e a taxa de participação de mulheres e homens no mercado de trabalho. Continue lendo
SinPsi - Sindicato dos Psicólogos do Estado de São Paulo

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Participe da Consulta Pública‬ sobre violência contra a pessoa com deficiência

Diariamente, pessoas com deficiência sofrem com diversos tipos de violência - podendo ser física, psicológica ou institucional. Você já sofreu ou presenciou algo do tipo?
Participe da ‪#‎ConsultaPública‬ sobre violência contra a pessoa com deficiência:http://bit.ly/UNLpZJ

Quadro de redução da desigualdade no Brasil

Existe, hoje, um quadro palpável de redução da desigualdade no Brasil. Isso foi construído com políticas públicas consistentes que transformaram a vida de milhões de brasileiros. O aumento real do salário mínimo e os programas de transferência de renda melhoram não só o acesso a bens de consumo, mas, principalmente, geram novas oportunidades e perspectivas.
Vale destacar: em 2012, atingimos o menor nível de desigualdade desde 1960.

Lei Maria da Penha completa 8 anos

A Lei Maria da Penha completa 8 anos na próxima semana. Apesar disso, o Brasil ocupa o 7º lugar no ranking de homicídios femininos no mundo.
No dia 7 de agosto, vamos nos encontrar no Fórum da Barra Funda, em São Paulo, no Plenário 10, às 9h30, para iniciar uma nova luta!

Adultério, culpa e sofrimento

Nathaniel Hawthorne (1804-1864), é filho de puritano. Seus antepassados enforcaram quacres e queimaram mulheres acusadas de bruxaria. Seu bisavô foi um dos juízes no julgamento das “Bruxas de Salem”. Era o ano de 1692. Na Nova Inglaterra daquela época, como relata o historiador Paul Johnson, os guardiões da moral e dos bons costumes condenavam à morte homens, e principalmente mulheres, acusados de heresias, bruxaria e adultério. Continue lendo aqui

domingo, 3 de agosto de 2014

Você sabia


Você sabia que mais de 80% dos casos de violência são com pessoas que fazem ou já fizeram parte de nosso convívio?

#EuLigo180 #LeiMariadaPenha #CampanhaSPM

sábado, 2 de agosto de 2014

Narrativas Antimanicomiais: Fechamento do Hospital Mental – Sorocaba

Hospital Mental
A ABRASME SP inicia a Publicação das Narrativas Antimanicomiais. São textos, relatos e depoimentos de usuários, familiares, trabalhadoras (es) e ativistas sobre momentos vividos de defesa dos princípios da Luta Antimanicomial.
Iniciamos esse sessão com o Relato de Carine Sayuri sobre a Transferência dos usuários que estavam internados no Hospital Mental para o Hospital Vera Cruz em processo de Desinstitucionalização.
Mande seu relato, depoimento e texto sobre Momentos Vividos na Luta Antimanicomial: spabrasme@gmail.com

Relato de um dia histórico – fechamento de mais um manicômio em Sorocaba


O Fórum da Luta Antimanicomial de Sorocaba – FLAMAS – desde sua formalização em 2009 esforçou-se em denunciar as violações que ocorriam no interior dos sete hospitais psiquiátricos de Sorocaba e região. A intensidade de suas denúncias reavivaram o movimento antimanicomial brasileiro, que havia se voltado para a constituição da rede substitutiva, depois do fechamento de diversos manicômios no país.
O caso sorocabano, definido como Fortaleza Manicomial, configurou-se como alvo do maior processo de desinstitucionalização no Brasil, após a assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta – TAC – no final de 2012, prevendo três anos para o fechamento dessas instituições de clausura.
O hospital psiquiátrico Vera Cruz, noticiado nacionalmente por suas péssimas condições, transformou-se em Polo de Desinstitucionalização, ou seja, local no qual os esforços são catalizados para que os moradores retomem ou construam a vida fora do isolamento manicomial. Neste polo todos os moradores dos quatro hospitais psiquiátricos de Sorocaba passarão, à medida que os manicômios forem fechados. Os outros três hospitais psiquiátricos da região, localizados em Piedade e Salto de Pirapora, passam por desinstitucionalização coordenada pela Secretaria Estadual de Saúde, responsável por sua gestão.
No primeiro semestre de 2014 foi fechado o primeiro manicômio, conhecido por Jardim das Acácias, momento em que cerca de 100 pessoas foram transferidas para o polo de desinstitucionalização Vera Cruz. No último dia 23 de julho de 2014 aconteceu o fechamento do segundo manicômio, o Hospital Mental Medicina Especializada.
O fechamento desse segundo manicômio configura-se como mais um conquista do movimento social e da política nacional de saúde mental, ao mesmo tempo que uma rede de atenção psicossocial está sendo construída para oferecer cuidados às pessoas que passam por sofrimento psíquico intenso.
Abaixo o relato pessoal de como foi esse dia histórico.
Quarta-feira, 23 de julho de 2014.
Acordo cedo para mais um dia de trabalho. Hoje minha profissão se define de forma clara: fechar mais um dos manicômios da cidade conhecida como polo manicomial: Sorocaba. Dos quatro manicômios a serem fechados esse é o segundo, mas nosso trabalho não está no meio do caminho, temos muito que fazer. Além do fechamento desses lugares, símbolos máximos da exclusão, temos muitos indivíduos a se descobrirem como pessoas e talvez essa seja a parte mais difícil, diante de tantos anos, décadas, sendo tratados como objetos.
Duzentos e dezoito. Esse é o número oficial de mulheres enclausuradas pelos mais diversos motivos, embora a desculpa seja de sofrimento psíquico, deixando de lado o fato de que o ser humano é um ser do sofrimento.
A operação é de guerra. Embora o manicômio tenha rompido seu convênio com a prefeitura há meses, por irregularidades, um dos sócios foi bem claro ao dizer que não liberaria as pacientes, mantendo-as no interior da instituição.  Não houve negociações amigáveis e, dessa forma, nossa entrada só poderia ser possível através de trâmites judiciais. Muitos guardas civis e alguns membros da polícia militar estão dispostos a nos auxiliar. No caminho ao manicômio nos dividimos para falar-lhes da luta antimanicomial no Brasil e da necessidade de protegermos as internas, a maioria se comove, comprometendo-se com uma atuação cuidadosa na transferência.
Chegando ao asilo encontramos alguns poucos familiares que discordam de nossa atuação. Entendem que seus parentes estão num lugar bom, tuteladas da melhor forma possível. Mas como culpa-los de uma relação manicomial legitimada e fortalecida por quase um século de discurso médico-psiquiátrico da cidade? Discurso esse que orientou como melhor conduta, aos familiares, o afastamento de seus parentes? Ou ainda, formalizando a incapacidade dos reclusos através de centenas de curatelas? Impossibilitando o mínimo de liberdade através da exclusão no manicômio físico e químico.
Também somos recepcionados pela mídia: muitas câmeras e repórteres esperam para registrar o que será hoje nosso trabalho. Alguns empecilhos atrasam nossa entrada, são muitos interesses em jogo, pois fecharemos o que outrora foi denominado como “negócio da china”, política e economicamente. Quando conseguimos entrar todos estão apreensivos, não sabemos ao certo o que foi passado para as centenas de mulheres, se fomos definidos como aqueles que as deixariam sem lugar para morar, que as levariam para um lugar ruim, que a largaríamos nas ruas, parte do discurso manicomial hegemônico.
No interior manicômio a realidade é outra. Encontramos mulheres curiosas em saber o que fazíamos ali e quando informamos que nós sairíamos daquele lugar, para em breve voltar a viver em sociedade, tivemos sorrisos da maioria. Algumas agradecem, outras dizem que não gostavam de apanhar. Poucas dizem não querer sair, nada que uma conversa amigável, explicando as razões, não resolva.  A grande maioria lúcida, em plenas condições do retorno imediato ao convívio social. Percebem logo que a equipe é bem intencionada e preocupada com o cuidado oferecido.
Na ala das moradoras todos os pertences são recolhidos, vidas inteiras naqueles espaços, algumas ali desde a abertura do manicômio, há quarenta e três anos. Na ala infantil, assim denominada pelos trabalhadores, não há crianças, mas pessoas infantilizadas, não perguntei por quem, quando obtive essa informação, estava muito claro.
Na parte externa das alas há uma suposta “residência terapêutica”, na qual três mulheres autônomas moram. Uma delas nos informa que tem problemas para dormir, por isso está há muitos anos no manicômio, não se lembra mais quanto tempo. Ela trabalha na instituição, auxiliando na lavanderia, na cozinha, etc., e ganha entre cem e duzentos reais por mês. Sua companheira de casa diz que lá é o lugar privilegiado para se morar dentro do manicômio e que elas são as melhores dali, as três trabalham na instituição. Perguntamos por que elas nunca saíram e a resposta foi pela ausência de alta médica.
Goffman já nos falava dos privilégios conseguidos pelos internos nas instituições totais a partir do trabalho. Embora não remunerados, ou remunerados minimamente como no caso citado, a execução da tarefa traz a possibilidade da circulação dentro da instituição. A relação de submissão estabelecida nessa proposta torna o interno ainda mais refém, já que diante da recusa ao trabalho pode perder o que o sustenta psiquicamente, o lugar socialmente construído dentro do espaço de clausura. Se partirmos para a legislação brasileira sobre o trabalho verificamos inúmeras irregularidades, desde a remuneração inferior ao mínimo estabelecido ou a ausência de direitos trabalhistas.
Os profissionais da saúde mental estão muito próximos das definições teóricas do que seria o manicômio, passando por Goffman, Foucault, Basaglia, Rotelli, Amarante, Nicácio, Yasui, Costa-Rosa, entre muitos outros, contudo a construção dessa práxis não deixa de nos abalar. Vivenciar o manicômio é algo muito intenso, saímos sempre modificados dessa experiência, chocados pela intenção e intensidade da relação manicomial produzida pela sociedade.
Aos poucos todas as mulheres ocupam seus lugares nos ônibus que as levará para o Polo de Desinstitucionalização Vera Cruz, local ainda de instalações manicomiais, mas com profissionais muito engajados em proporcionar um lugar mais possível de se viver, com a perspectiva do retorno à sociedade. O que não deixa de ser um enigma para alguns, como explicar o que é viver num bairro, podendo sair de sua casa quando quiser, ou podendo aceitar e concretizar alguns desejos possíveis? Como explicar o que é viver em sociedade para a senhora que nasceu em Franco da Rocha, filha de pais com transtornos mentais, que sempre esteve institucionalizada? Com que cores podemos desenhar a liberdade, para olhos escurecidos por anos de cárcere e isolamento?
O dia-a-dia das equipes de trabalhadores em Saúde Mental do município se configura por muito trabalho, não apenas para o desmonte do manicômio em suas estruturas físicas, mas na desconstrução de uma concepção de que o isolamento é terapêutico. Contudo, não podemos nos esquecer que outras formas de manicômio são concretizadas em nossos dias. Se desmontamos o que muitos chamam de hospitais psiquiátricos, vemos a construção de comunidades terapêuticas, na contramão da Atenção Psicossocial. E o que falar do manicômio químico, que de forma muito mais barata mantém a pessoa refém de si mesma através da medicação excessiva. Não percamos de vista que toda essa produção é legitimada pela nossa sociedade, que também demanda por esses lugares de exclusão. Os trabalhadores da Saúde Mental têm pela frente a desconstrução de algo muito mais sutil do que o aparato manicomial concretizado em suas paredes, têm pela frente a contestação de um modo de produzir subjetividades da pela nossa sociedade capitalista. Nós, trabalhadores e militantes da atenção psicossocial, nos denominamos revolucionários, no mínimo na própria posição de construção de relações, diferente da hegemônica.
Carine Sayuri Goto

Eventos em todo país comemoram e debatem oito anos da Lei Maria da Penha

Seminários, jornadas e oficinas discutem importância da lei para vários públicos

Os organismos de políticas para as mulheres estaduais, municipais, casas legislativas e o sistema de justiça de todo o país se preparam para comemorar o aniversário da Lei Maria da Penha, que em 7 de agosto completa oito anos.

O Conselho Nacional de Justiça promoverá a VIII Jornada da Lei Maria da Penha nos dias 7 e 8, em Brasília. O encontro destina-se a magistrados e servidores que atuam na área de violência doméstica contra a mulher. No dia do aniversário da Lei, a Procuradoria da Mulher do Senado organiza o evento Quintas Femininas para celebrar a data, na sede do órgão.

Em Maceió, o Poder Judiciário, a Defensoria Pública, o Ministério Público e a Secretaria de Estado da Mulher, da Cidadania e dos Direitos Humanos coordenam o I Seminário Alagoano de Enfrentamento à Violência de Gênero. Será abordado o tema ‘Reflexões, desafios e experiências nos oito anos da Lei Maria da Penha e será sediado na Escola Superior da Magistratura de Alagoas (Esmal).

De 26 a 28 de agosto acontece o 20º Seminário Internacional de Ciências Criminais em São Paulo, do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais. Os quatro dias de evento terão debates de variados e atuais temas das Ciências Criminais com renomados penalistas e criminólogos nacionais e estrangeiros, além de audiências públicas.

O Grupo de Atuação Especial Em Defesa dos Direitos da Mulher (Gedem) da Bahia e instituições parceiras organizam Oficinas sobre a Lei Maria da Penha, o Sistema de Justiça e a Rede de atenção e enfrentamento à violência em cidades como Teixeira de Freitas, Jequié, Ilhéus, Paulo Afonso, entre outras. Os eventos acontecem de julho a setembro.

A Secretaria de Políticas para as Mulheres do Rio Grande do Sul promove, no dia 7 de agosto, o Seminário Estadual 8 Anos da Lei Maria da Penha. O evento acontece em Porto Alegre e é direcionado para gestoras dos Organismos de Políticas para as Mulheres (OPMs), mas é aberto ao público.

Em São Paulo, a primeira Delegacia de Defesa da Mulher do país está organizando o 5º Abraço Solidário às Mulheres em Situação de Violência. Será no dia 7 de agosto, às 14h, em frente à DEAM (Rua Dr. Bittencourt Rodriguez no. 200, Centro – São Paulo - Próximo ao Parque D. Pedro).
 

Comunicação Social
Secretaria de Políticas para as Mulheres – SPM
Governo Federal

"30 Anos de União de Mulheres de São Paulo"

Novidade o Índice de Desenvolvimento de Gênero

Relatório do IDH 2014 publicado pela ONU mostra que, no Brasil, homens ganham em média 64% a mais que mulheres no mercado de trabalho. O documento trouxe ainda como novidade o Índice de Desenvolvimento de Gênero. Confira:http://agenciapatriciagalvao.org.br/trabalho_/homens-ganham-em-media-64-mais-que-mulheres-brasil-diz-pnud/

terça-feira, 1 de julho de 2014

Sabia que muitas mulheres não denunciam seus companheiros porque acreditam que ele irá "melhorar"?


Sabia que muitas mulheres não denunciam seus companheiros porque acreditam que ele irá "melhorar"?

Mas, a violência diária representou cerca de 42% dos casos atendidos pelo Ligue 180 em 2013:http://bit.ly/1nS1VRJ.

#EuLigo180

segunda-feira, 30 de junho de 2014

domingo, 29 de junho de 2014

Você sabia que o assédio nos transportes públicos também é um tipo de violência contra a mulher?

Você sabia que o assédio nos transportes públicos também é um tipo de violência contra a mulher? Se você foi vítima ou presenciou uma atitude como essa, denuncie. Ligue 180.

#EuLigo180

sábado, 28 de junho de 2014

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Você sabia que não é preciso ser fisicamente agredida para ser vítima de uma violência

Você sabia que não é preciso ser fisicamente agredida para ser vítima de uma violência. Em 2013, mais de 30% das denúncias foram de agressões psicológicas. 

#EuLigo180

quinta-feira, 26 de junho de 2014

O crime contra mulher não é aceitável.

Você sabia que o Ligue 180, que é nacional, em 2013 atendeu denúncias vindas de mais de 70% dos municípios? Não tolere a violência contra as mulheres!#EuLigo180 http://bit.ly/1nS1VRJ

quarta-feira, 25 de junho de 2014

terça-feira, 24 de junho de 2014

Você sabia que o Ligue 180 orienta também as brasileiras que moram fora do Brasil?

Você sabia que o Ligue 180 orienta também as brasileiras que moram fora do Brasil? Além do nosso país, está presente na Espanha, na Itália e em Portugal.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

domingo, 22 de junho de 2014

Um ato de coragem contra um ato de covardia

Mais de três milhões de atendimentos foram feitos para o Ligue 180, desde a criação do serviço, em 2005. Ajude também a combater a violência contra as mulheres. #EuLigo180


sábado, 21 de junho de 2014

Exemplos de Violência Moral e Psicológica contra mulher

Você sabia que ameaças, humilhações, constrangimentos e vigilância constante também são exemplos de violência contra mulheres? Denuncie! 
#euLigo180

sexta-feira, 20 de junho de 2014

O pânico moral da Copa



Tráfico de pessoas e exploração sexual de crianças e adolescentes estão entre as preocupações do governo brasileiro no momento em que o país sedia a Copa do Mundo de Futebol. Mas quais os mitos e verdades com relação ao suposto elo entre o aumento na ocorrência desses crimes e a realização de megaeventos esportivos? O que substancia tais discursos?
| notícias CLAM |

Sexualidade e direitos Humanos - Ultimas



EGeS conclui segunda edição
Curso de especialização, oferecido pelo CLAM/IMS/UERJ em parceria com a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), formou 120 alunos. Em debate de encerramento, alunos, coordenadores e professores destacaram o EGeS como um esforço de formação de profissionais e, sobretudo, de promoção e garantia de direitos em uma sociedade marcada por desigualdades.
| notícias CLAM |
_
18ª Conferência da Redor
A 18ª Conferência da Redor (Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher e Relações de Gênero) ocorre de 24 a 27 de novembro de 2014, na Universidade Federal Rural de Pernambuco. Inscrições de trabalho até 25/06.
| oferta acadêmica |
_
As Lutas Feministas e a Mídia
Para a coordenadora do Observatório da Mulher, Rachel Moreno, a mídia desempenha papel relevante na preservação de desigualdades de gênero. Políticas públicas e leis de combate à violência contra a mulher serão mais efetivas se forem acompanhadas por uma cultura mais inclusiva, a qual a mídia ignora ao privilegiar conteúdos conservadores e machistas e ao rechaçar demandas de pluralidade.
| artigos e resenhas |
_
Sexologia: entre a vanguarda e a tradição
Já está disponível para download o livroSexualidad, Ciencia y Profesión en Colombia,novo fruto da pesquisa realizada pelo CLAM em vários países. Seus autores, Ángela Facundo e Mauro Brigeiro, assinalam o caráter inovador da disciplina, ao propor a democratização do prazer sexual.(Texto em espanhol)
| entrevista |
_
Século XXI - Revista de Ciências Sociais
O Dossiê do Vol. 4, nº 2 pretende discutir a construção de políticas públicas que englobam gênero e sexualidade e que envolvem tanto a definição dos problemas e seus modos de resolução, como a constituição de sujeitos que se enquadram ou devem se enquadrar a essas políticas. Data limite para envio de artigos: 01 de julho.
| oferta acadêmica |
_
Por que o gênero assusta tanto?
Por pressão de setores religiosos conservadores, as questões de gênero e orientação sexual foram retiradas do texto do Plano Nacional de Educação brasileiro. O recuo demonstra como a educação tem sido um campo de batalha de concepções morais que resistem a toda forma de pluralismo.
| notícias CLAM |
_